Fanzines de José Pires: “FandClassics”

Com um ritmo imparável, de impressionante regularidade, para quem publica três fanzines mensais — FandClassics, Fandaventuras e Fandwestern —, José Pires continua a editar a magnífica série “Terry e os Piratas”, de Milton Caniff, da qual somente os primeiros episódios eram conhecidos em versões portuguesas, graças ao Mundo de Aventuras (5ª série) e ao jornal Público.

Ou seja, a totalidade da série é agora, pela primeira vez, posta à disposição dos bedéfilos portugueses, em álbuns de formato à italiana, com cerca de 70 páginas cada, impressos em papel de boa gramagem. Uma edição que os fanáticos desta série — e sabemos que são ainda muitos em Portugal — não devem logicamente perder! 

Recordamos, mais uma vez, que esta série teve a sua estreia n’O Mosquito, em 1952, quando já era desenhada por George Wunder, substituto de Milton Caniff, que procurou imitar sem grande sucesso o estilo do seu ilustre mentor (mas diga-se de passagem que o período apresentado n’O Mosquito é um dos mais abonatórios do trabalho de Wunder, que também tem os seus méritos).

Em 1946, Milton Caniff decidiu pôr de lado “Terry e os Piratas” para se dedicar à sua nova série de aviação, com um herói chamado Steve Canyon (baptizado em Portugal com o bizarro nome de Luís Ciclone), que se tornou ainda mais popular do que a primogénita, apesar do seu conteúdo fortemente bélico e apologista da política externa dos Estados Unidos, mormente nas guerras da Coreia e do Vietname.

Quanto a “Terry e os Piratas” prosseguiu a sua carreira, nas mãos de George Wunder, até 1973, tendo transitado, durante breves períodos, por outras revistas portuguesas, como o Titã e o Mundo de Aventuras. Nesta última até mudou de nome, como era hábito nessa época, em que a censura pressionava sem tréguas os editores para nacionalizarem todos os personagens estrangeiros.

E assim “Terry e os Piratas” ficou conhecida, entre os leitores do Mundo de Aventuras (que fez questão de seguir à risca essa norma), pelo título de “Trovão e os Piratas”. Outro nome bizarro (pobre Terry!), embora Trovão Ciclone tenham a mesma raiz “meteorológica”. Uma mania que parecia perseguir os editores do Mundo de Aventuras, se nos lembrarmos também de João Tempestade (Johnny Hazard)!

Os fanzines aqui apresentados são respeitantes aos meses de Dezembro, Janeiro e Fevereiro últimos. Em Março sairá, portanto, o 15º volume desta colecção, que terá 25 fascículos, com todos os episódios da série.

Os pedidos, incluindo os de números atrasados, podem ser feitos directamente ao faneditor, através do e-mail  gussy.pires@sapo.pt

Advertisements

O Boletim do Clube Português de Banda Desenhada continua em publicação

O Clube Português de Banda Desenhada (CPBD) acaba de editar o nº 143 do seu Boletim, com data de Fevereiro de 2017, um dos fanzines mais antigos em publicação, não só em Portugal como em toda a Europa, e que pela sua qualidade e longevidade merece ombrear com os melhores.

Neste número, dedicado ao Titã — uma revista de BD dos anos 1950, editada pela Fomento de Publicações em moldes inovadores, mas que não teve o sucesso esperado, devido à forte concorrência do Cavaleiro Andante e do Mundo de Aventuras —, destaca-se um artigo sobre este tema da autoria de Ricardo Leite Pinto, sobrinho do saudoso Roussado Pinto, incontornável pioneiro da “época de ouro” da BD portuguesa, que no Titã exerceu as funções de novelista, argumentista, redactor principal e, a breve trecho, director, depois de ter saído do Mundo de Aventuras e da Agência Portuguesa de Revistas.

No Titã colaboraram também alguns desenhadores portugueses, já nessa época com largo e invejável currículo, como Vítor Péon, José Garcês e José Ruy, devendo-se a Péon e ao seu traço dinâmico a capa do 1º número e a história “Circos em Luta”, cujo herói, criado por Edgar (Roussado Pinto) Caygill, se chamava nem mais nem menos… Titã!

Completa este número um artigo de Carlos Gonçalves sobre a magnífica arte de E.T. Coelho, com uma galeria de trabalhos deste grande desenhador para a revista O Mosquito, que estiveram patentes, até há pouco tempo, numa exposição realizada pelo CPBD na sua nova sede.

As imagens reproduzidas neste post foram extraídas, com a devida vénia, do blogue Sítio dos Fanzines de Banda Desenhada, orientado por Geraldes Lino, cuja consulta recomendamos a todos os interessados por este aliciante tema que o mestre Lino conhece e aborda como ninguém!…

WordPress.com Apps

Apps for any screen

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa