Morreu o “padrinho” do Major Alvega

Mário do Rosário retrato copyPor amabilidade de um dos seus melhores amigos, mestre José Garcês, que nos dá também a honra da sua estima e camaradagem, soubemos do falecimento, há poucos dias, de Mário do Rosário, mítico editor de Banda Desenhada que ficará indelevelmente ligado ao popular semanário O Falcão, cuja 2ª série, em formato de bolso, dirigiu, coordenou e editou, durante mais de 20 anos.

Nas décadas de 60 e 70 do século passado, O Falcão foi uma das revistas da especialidade mais apreciadas por leitores de várias faixas etárias, graças ao formato apelativo, ao preço módico, às belas capas (muitas delas realizadas por José Garcês) e às séries e aos heróis que publicou, com destaque para um carismático piloto e “ás” da RAF, herói da 2ª Guerra Mundial, que ficou conhecido pelo nome de Mario do Rosário - Falcão 417 750 copyMajor Alvega — inventado, aliás, por Mário do Rosário, que preferiu ignorar o patro- nímico inglês (Battler Britton), sem poder adivinhar que tinha gerado uma autêntica lenda da história e do universo dos media portugueses do século XX.

Ainda vivo, pelo menos na memória dos leitores d’O Falcão (e dos espectadores da RTP) que vibraram com as suas aventuras, o Major Alvega deve sentir, neste momento, a falta do seu maior amigo, daquele que — ao apadrinhá-lo, dando-lhe outro nome e uma dupla nacionalidade — criou um fenómeno de culto que transcendeu as suas próprias origens nos comics do Reino Unido.

Nota: a foto de Mário do Rosário inserida neste post provém, com a devida vénia, do blogue Largo dos Correios, onde podem ler um magnífico artigo do Professor António Martinó de Azevedo Coutinho intitulado “Super-Mário e O Falcão”, cujo link transcrevemos: https://largodoscorreios.wordpress.com/2016/08/18/mario-do-rosario-1927-2016/

Advertisements

Operação BD Nostalgia na revista “Visão”…

… ou o regresso dos velhos heróis!

Visão - heróis da BD 1

Visão - heróis da BD 2152

Numa iniciativa que muitos bedéfilos saudarão certamente com júbilo, a revista Visão decidiu celebrar o seu 23º aniversário de forma especial, oferecendo aos seus leitores, durante seis semanas, uma deliciosa [sic] colecção de Banda Desenhada antiga publicada em Portugal, que começa com o saudoso Major Alveja e engloba também outros heróis de mítica fama como Mandrake, Fantasma ou Flash Gordon.

Numa altura em que alguns jornais, com inegável destaque para o Público, têm dedicado à Banda Desenhada uma atenção especial, apresentando sucessivas colecções baseadas nos grandes clássicos da escola franco-belga e nos maiores super-heróis norte-americanos (sem esquecer o precioso filão das graphic novels), registamos naturalmente com agrado — ainda que com algumas reservas em relação ao critério selectivo, sobretudo dos dois últimos títulos — este “brinde” aos amantes das histórias aos quadradinhos de outra época e de outro género de heróis, quando as bancas se enchiam de revistas de cariz popular, com títulos emblemáticos que ainda hoje ecoam no imaginário de várias gerações e povoadas por trepidantes aventuras, cujos arque- típicos personagens — alguns já quase com um século de existência — parecem ter o condão de viver para sempre!

Fazemos votos de que outros heróis “adormecidos” no tempo, mas não na memória dos que com eles cresceram, sonharam e viveram muitos momentos de exuberante fantasia, possam em breve voltar à acção, em iniciativas semelhantes à que a revista Visão decidiu levar a cabo para assinalar, de forma diferente, um aniversário que decerto ficará também na memória dos seus inúmeros leitores.  

Colecção “Os Piores Inimigos de Ric Hochet” – 11 e 12

Ric Hochet - Relevez le gant! 467

1959 foi o ano em que o jovem repórter do La Rafale deu mais um passo importante (e decisivo) na sua carreira — até aí limitada, como já referimos, a curtos e esporádicos episódios completos —, tornando-se titular, no Tintin belga, de uma sensacional novidade: uma rubrica com o título Relevez le gant!, constituída por uma série de problemas policiais cuja decifração desafiava, na melhor tradição de Agatha Christie e Hercule Poirot, a argúcia e as faculdades dedutivas dos leitores.

Alguns desses casos, em que Ric Hochet estava sempre acompanhado pelo inspector Bourdon, foram também publicados no semanário O Falcão (1ª série), que chegou mesmo a instituir um concurso, com regulamento, destinado aos jovens sherlocks portugueses. E foi também n’O Falcão (nº 60, de 4/2/1960) que apareceu uma das primeiras histórias curtas de Ric Hochet, cujo título Ric Hochet e a “Sombra” (Ric Hochet contre l’Ombre) já prenun- ciava o ambiente dos próximos episódios da série.

Ric Hochet - Aceite o desafio + O Sombra

Pormenor curioso: enquanto que no Cavaleiro Andante e no Zorro o jovem repórter criminologista foi baptizado com os portuguesíssimos nomes de João Nuno e Mário João (embora vivesse na Cidade-Luz, trabalhando para um jornal parisiense), n’O Falcão manteve o seu próprio nome, o que prova que a censura nada teve a ver com essa mudança de identidade.

Em 1962, Ric Hochet foi ainda protagonista de uma longa novela de mistério com o título Monsieur X frappe à minuit, cujo texto tinha também a assinatura de André-Paul Duchâteau, o argumentista que se tornou o parceiro ideal de Tibet quando a sua nova criação começou finalmente a aparecer em histórias de “longa metragem”, conquistando, em pouco tempo, o estatuto de grande vedeta do jornal Tintin.

A título de curiosidade mostramos duas páginas dessa novela, ilustrada por Tibet, tal como foi publicada no Zorro, a partir do nº 33 (25/5/1963), com um título semelhante: O sr. X ataca à meia-noite. Tempo depois, o destemido e arguto “Mário João” transitou para as histórias aos quadradinhos, vivendo três novas aventuras que o tornaram ainda mais popular entre os leitores da revista, muitos dos quais desconheciam o seu verdadeiro nome.

Ric Hochet - Sr. X

Na época anterior à consagração de Ric Hochet (que só chegou tardiamente, depois de um longo caminho, como já vimos), Tibet estava ainda “colado” à imagem de Chick Bill, o seu personagem de maior êxito, ao ponto de aparecer vestido de cowboy numa curiosa pantomina em que vários colaboradores do Tintin assumiam a aparência dos heróis que lhes tinham dado justa fama, “disfarçados” com a sua habitual indumentária.

Essa página, que a seguir apresentamos, foi publicada no nº 12 (14º ano), de 25/3/1959, e nela podemos reconhecer as veras efígies de alguns dos mais populares autores da BD franco-belga, fazendo honrosa companhia a Tibet.

Ric Hochet - Tintin 12

Reproduzimos seguidamente, com a devida vénia, os textos de apresentação inseridos no jornal Público de 7 e 14 de Agosto p.p., referentes aos dois últimos volumes da colecção “Os Piores Inimigos de Ric Hochet”, que brindou os apreciadores desta série (entre os quais nos incluímos) com algumas aventuras inéditas do dinâmico repórter detective.

Ric Hochet - público 11

Ric Hochet - público 12

WordPress.com Apps

Apps for any screen

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa