Liga da Justiça (vol. 3): O Prego – Teoria do Caos

Advertisements

Image

Liga da Justiça (vol. 2): O Vírus Amazo

Image

O Amadora BD 2017 já encerrou… ficaram os prémios

Relação dos premiados:

Melhor Álbum Português: Deserto/Nuvem”, de Francisco Sousa Lobo (Chili com Carne)

Melhor Argumento para Álbum Português: Francisco Sousa Lobo, em “Deserto/Nuvem” (Chili com Carne)

Melhor Desenho para Álbum Português: Amanda Baeza, em “Bruma” (Chili com Carne)

Melhor Álbum de Autor Português em Língua Estrangeira: “It’s No Longer I That Liveth”, de Francisco Sousa Lobo (Chili com Carne/Mundo Fantasma)

Melhor Álbum de Autor Estrangeiro: “Os Ignorantes”, de Étienne Davodeau (Levoir/Público)

Melhor Álbum de Tiras Humorísticas: “Conversas com os Putos”, de Álvaro (Polvo)

Melhor Desenhador Português de Livro de Ilustração: Tiago Albuquerque e Nadia Albuquerque, em “Sou o Lince-Ibérico” (Imprensa Nacional Casa da Moeda)

Melhor Desenhador Estrangeiro de Livro de Ilustração: Jimmy Liao, em “Noite Estrelada” (Kalandraka)

Prémio Clássicos da 9ª ArteRonin”, de Frank Miller (Levoir/Público)

Melhor Fanzine: Outro Mundo Ultra Tumba”, de Rudolfo Mariano (Edição de Autor)

Destaque pela qualidade das colectâneas: “Sandman”, de Neil Gaiman (Levoir/Público)

Destaque pela qualidade das colectâneas: “O Mundo de Garfield (1978-1983)”, de Jim Davis (Verbo)

O Festival Amadora BD encerrou as suas portas no passado domingo, dia 12 de Novembro, mas para o ano haverá mais, com exposições de certeza tão interessantes como as que estiveram patentes, desde 27 de Outubro, no Fórum Luís de Camões (Brandoa) e noutros locais.

Quanto aos prémios, algumas das escolhas não nos pareceram as mais acertadas… mas, em questão de concursos, os júris são soberanos, por isso o que conta são as obras e os autores que estarão em destaque no próximo ano, entre eles Étienne Davodeau e Frank Miller.

O respeito pelo veredicto do júri não nos impede, porém, de lamentar a ausência das Edições Asa da lista de vencedores, pois a colecção de Valérian (embora incompleta) foi, sem dúvida, uma das melhores do ano. Tal como as de Garfield e de Sandman, justamente distinguidas com uma menção especial. 

E mais haveria a dizer no tocante aos clássicos e à sua rigorosa definição (Bastam 10 anos para uma obra se tornar um clássico? Podemos medir esse conceito somente pelo seu êxito comercial e artístico?)… mas ficamos por aqui.

Uma sugestão, apenas, porque cremos que esta é a categoria onde, de ano para ano, há mais candidatos e, portanto, mais dificuldade de escolha: por que não dividi-la em dois géneros, colectâneas (devido ao peso que têm numa edição) e álbuns singulares?

Pôr estes a competir com “pesos pesados”, misturando tudo no mesmo “saco”, como tem sucedido até agora, não nos parece boa ideia. Com resultados nem sempre felizes, para uns e para outros…  

Liga da Justiça: Nova Ordem Mundial (Vol. 1)

Liga da Justiça – Os maiores heróis da DC estão de volta

Y, O Último Homem – Vol. 2

Image

Y, O Último Homem – Vol. 1

Novela Gráfica III – Vol. 15

Com este volume chega ao fim mais uma série das Novelas Gráficas editadas pelo Público e pela Levoir, com total agrado de um largo sector da nossa comunidade bedéfila. Mas aguarda-se, nas próximas séries, uma presença mais consistente de autores portugueses e brasileiros.

Foi pena, também, não ter incluído na presente série o álbum A Vida de Che em BD, um clássico incontornável (embora de matriz política e biográfica), com a assinatura de Héctor G. Oesterheld, Alberto e Enrique Breccia, publicado na mesma altura, mas como um volume desgarrado. 

A vida de Che em BD: uma obra mítica finalmente editada em Portugal

Chega dentro de dias às bancas, numa edição Público/Levoir, a biografia do ícone da Revolução Cubana, escrita por Héctor Germán Oesterheld e ilustrada por Alberto e Enrique Breccia, expoentes máximos da BD argentina e mundial. Lançada com grande êxito logo após o assassinato de Che Guevara, a sua difusão foi proibida, sendo mesmo ordenada a destruição das pranchas originais pela ditadura militar argentina. O trágico desaparecimento do próprio Oesterheld e as lendas em torno da primeira reedição da obra em Espanha elevaram-na a um estatuto de crescente mito.

Mais do que uma obra polémica, A Vida de Che é uma obra-prima da banda desenhada — sob a forma de novela gráfica, quando este termo e o seu conceito ainda não existiam —, pela primeira vez em versão portuguesa, recordando o 50º aniversário da morte de um dos mais célebres guerrilheiros do século XX.

Novela Gráfica III – Vol. 14

Image

Previous Older Entries

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

Interesting Literature

A Library of Literary Interestingness

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa