Morreu Fernando Relvas, um dos maiores criadores da moderna BD portuguesa

O autor de banda desenhada (BD) Fernando Relvas morreu [ontem] de madrugada na Amadora, onde vivia, revelou o director do Amadora BD, Nelson Dona, que o recordou como um dos “autores-chave da BD contemporânea portuguesa”.

Fernando Relvas, de 63 anos, morreu no Hospital Amadora- -Sintra e até ao início da tarde ainda não tinham sido marcadas as cerimónias fúnebres.

Fernando Relvas, que nasceu em Lisboa em [20 de Setembro] 1954, começou a publicar os primeiros trabalhos aos 20 anos, em meados da década de 1970, somando colaborações em várias publicações da imprensa portuguesa, nomeadamente as revistas Fungagá da Bicharada, Tintin e Mundo de Aventuras, o semanário Se7e, a revista Sábado e o Diário de Notícias.

Algumas das histórias e pranchas publicadas na imprensa foram depois reunidas em álbum, como “Karlos Starkiller”, “Çufo”, “Em Desgraça”, “As Aventuras do Pirilau: o Nosso Primo em Bruxelas” e “L123 – seguido de Cevadilha Speed”.

Mais recentemente, saiu o álbum “Sangue Violeta e Outros Contos”, que reúne as histórias “Sangue Violeta”, “Taxi Driver” e “Sabina”, publicadas no Se7e, premiado como clássico da Nona Arte no Festival de BD da Amadora.

Para o director do Amadora BD, “faleceu um dos autores-chave da BD contemporânea portuguesa, que trabalhou em todo o tipo de BD, com registos gráficos brilhantes muito diferentes, e também em narrativas diferentes, da infantil até à só para adultos”.

A “obra extensíssima” de Fernando Relvas foi “apresentada várias vezes na sua cidade, a Amadora”. Entre Janeiro e Abril deste ano, a Bedeteca da Amadora acolheu a exposição retrospectiva “Horizonte, Azul Tranquilo”, dedicada a Fernando Relvas, que o responsável da mostra, Pedro Moura, descreveu como “um verdadeiro sismógrafo da sociedade portuguesa e global das últimas décadas”. A exposição mostrava trabalhos publicados em fanzines, em auto-edição, em revistas de banda desenhada, como a Tintin, e outra imprensa, como o semanário Se7e.

“A lavra de Fernando Relvas é uma obra maior no panorama nacional, ainda que sob muitos aspectos fragmentária”, reconheceu o programador na altura da inauguração, em declarações à Lusa. Pedro Moura falava de um “percurso nervoso por entre géneros e humores, métodos e técnicas, veículos de publicação e modos de produção e circulação, que servirá de retrato de uma incessante e intranquila busca pela expressividade própria da banda desenhada”.

Artigo reproduzido do DN Artes online (21/11/2017)

Mais uma grande perda para a BD portuguesa, no espaço de um ano assinalado também pelo desaparecimento de Carlos Alberto Santos (Novembro 2016), Mascarenhas Barreto e Maria Isabel de Mendonça Soares (Janeiro 2017).

Este blogue, em nome de Jorge Magalhães e Catherine Labey, apresenta os seus sentidos pêsames à família enlutada e, em particular, à sua esposa Anica Govedarica. Ainda recentemente estivemos na inauguração de uma belíssima mostra de pintura desta artista croata, patente até há poucas semanas na livraria Ler Devagar (LX Factory), e ficámos consternados por ver Fernando Relvas num estado de grande debilidade física. Seguiu-se o internamento, devido a duas quedas, no hospital Egas Moniz, onde foi sujeito a uma operação à coluna, e depois a transferência para o Amadora-Sintra, onde acabou por falecer ontem de madrugada, vítima de pneumonia.

O seu corpo estará em velório, para quem lhe quiser prestar as últimas homenagens, na antiga Galeria Municipal, edifício da Câmara da Amadora, a partir da tarde de quinta-feira, dia 23 de Novembro.

Recordamos com saudade e com muito afecto a nossa longa amizade, desde que o conhecemos pessoalmente — a Catherine ainda nos seus tempos de juventude, quando ambos colaboravam no Fungagá da Bicharada, e eu no Mundo de Aventuras, onde Relvas chegou a publicar alguns trabalhos inéditos, colaboração que se estendeu também a outras revistas que coordenei, como O Mosquito (5ª série) e Selecções BD (2ª série). Uma dessas histórias irá ser reeditada brevemente no blogue O Voo d’O Mosquito.

A título também de homenagem, relembramos a exposição “Fernando Relvas e a Revista Tintin”, inaugurada em 16/5/2014 no extinto CNBDI (Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem), onde hoje se localiza a sede do CPBD (Clube Português de Banda Desenhada). Essa mostra assinalou a entrada da obra de Fernando Relvas, artista locatário da Amadora e Prémio Nacional Amadora BD 2012, na importante e vasta colecção de originais da CMA/CNBDI, actualmente depositada na Bedeteca da Amadora.

Em finais de Outubro p.p., Relvas teve ainda a satisfação de assistir à abertura da sua nova mostra, na Galeria Artur Bual, integrada no 28º Festival Amadora BD, com uma abordagem retrospectiva (e não só) da sua obra, organizada por João Miguel Lameiras. 

Advertisements

Nova sede do CPBD inaugurada amanhã

CNBDI da Amadora

CPBD novo logo.pngSegundo informação de última hora, a nova sede do Clube Português de Banda Desenhada (CPBD), na Falagueira-Venda Nova, será inaugurada ama- nhã, sexta-feira, pelas 17h00, e não no sábado, como estava inicialmente previsto, contando com a presença da Presidente da Câmara Municipal da Amadora e do seu Vereador da Cultura.

Aproveitando esta notícia para prestar mais esclarecimentos sobre a renovada acção do CPBD — agora instalado no antigo núcleo do histórico CNBDI (encerrado há alguns meses), cujo amplo espaço lhe oferece maior liberdade, e em contacto próximo com outras entidades que promovem e prestigiam a 9ª Arte, como a Bedeteca da Amadora, embora seguindo caminhos autónomos —, reproduzimos a circular que nos foi enviada pela direcção do Clube, com informação detalhada e algumas fotos das três mostras que, a partir de amanhã, estarão patentes na sua nova “sala de visitas”.

001

Inauguração CPBD - 2

011

Inauguração CPBD - 3

013

Inauguração CPBD - 4

O Clube Português de Banda Desenhada já se mudou para a cidade da Amadora

CNBDI da Amadora

Temos o prazer de informar que a inauguração oficial da nova sede do Clube Português de Banda Desenhada (CPBD) terá lugar no próximo dia 7 de Novembro, às 18h30, na antiga morada do histórico Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem (CNBDI), sita na Avenida do Brasil, 52A, Amadora.

Durante a sessão, será apresentado o programa de eventos da temporada 2015-2016, com a revelação de algumas agradáveis surpresas para os sócios e o público em geral.  

CPBD novo logo.pngDuas exposições organizadas pelo CPBD serão abertas ao público, no mesmo local, a primeira dedicada à famosa série Quim e Manecas, de Stuart Carvalhais, como prolongamento do tema “A Criança na BD”, que presidiu, este ano, ao Festival Amadora BD, e a segunda constituída por uma notável colecção de originais e reproduções de outro grande autor português, José de Lemos, assinalando o 20º aniversário do seu falecimento, com gentil cedência de algum material pela Casa da Cultura de Setúbal, através do seu dinamizador Teófilo Duarte.

Numa das salas da nova sede estará também patente uma elucidativa mostra sobre o longo caminho percorrido pelo Clube, documentando a sua actividade editorial e as principais exposições que realizou durante os seus 40 anos de existência.

A parceria entre o CPBD e a Câmara Municipal da Amadora — que deu azo a mais um importante polo cultural da Cidade da BD, não deixando “morrer” um espaço emblemático — está configurada no novo símbolo do Clube, exposto num grande telão, na frontaria da sua ampla e convidativa sede, que aguarda, a partir de 7 de Novembro p.f., a visita dos seus sócios e do público bedéfilo em geral.

 

WordPress.com Apps

Apps for any screen

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa