Postais Ilustrados de outros tempos – 6

SEXO FRACO E SEXO FORTE

Mais quatro exemplos da arte de Alfredo Januário de Morais (1872-1971), um dos maiores ilustradores e aguarelistas portugueses do século XX, que entre as suas inúmeras facetas também cultivou a de humorista satírico.

O tema que escolheu para mais esta série de postais, com um espírito brejeiro refinado pelo estilo picaresco, em que também era mestre, foi o da relação entre os sexos (hoje, diz-se géneros, em linguagem de mercearia… talvez por ser mais “socialmente” correcto do que sexo fraco e sexo forte).

Mas, como as imagens e os versos jocosamente parodiam, há diferenças físicas (e semânticas) que não devem ser levadas a sério, pela simples razão de que… ontem como hoje… em casa quem manda são elas! E os maridos que se cuidem!

Advertisements

Postais ilustrados de outros tempos – 5

IN VINO VERITAS

Eis mais dois postais com o traço barroco e as cores exuberantes de um mestre das artes figurativas portuguesas, Alfredo Januário de Morais, que recheou com cenas burlescas, satíricas, românticas, heróicas, didácticas, infantis e de aventuras, centenas de livros, folhetos, revistas, cartazes, dados à estampa, durante várias décadas, na imprensa do século XX de cariz mais pitoresco, económico e popular. Um artista das “massas”, como se diria hoje…

Figura decadente mas típica de um certo estrato da sociedade portuguesa, a pequena burguesia e as classes populares, o bêbado — com a sua devoção quase litúrgica ao mandamento latino In vino veritas — ficou consagrado no texto, na imagem e na voz de alguns dos mais eminentes vultos da cultura nacional. Quem não recorda, por exemplo, esta carismática cena de um filme dos anos 1940, com um dos maiores actores cómicos do meio artístico desse tempo?

Postais ilustrados de outros tempos – 4

Eis, como anunciado, mais quatro postais com trajos típicos de várias regiões do nosso país, inseridos numa colecção do Museu de Ovar, realizada pelo mestre aguarelista Alfredo Januário de Morais (1872-1971), um dos mais activos “trabalhadores” das artes gráficas portuguesas do século XX, exímio na tarefa de ilustrar fascículos populares e romances de aventuras, que foram lidos por milhares de jovens e atravessaram gerações.

É quase impossível calcular o número de capas e de outros trabalhos ilustrados, a cores e a preto e branco, que Alfredo de Morais pródiga e dinamicamente espalhou por jornais, revistas, livros, folhetos, postais, estampas, histórias aos quadradinhos, num exemplo paradigmático do artista que lutava contra a mediania e as fracas recompensas económicas do seu meio, trabalhando sem desânimo até uma idade bastante avançada.

Postais ilustrados de outros tempos – 3

Eis mais algumas amostras de uma série que, na modalidade de postais, parece interminável, explorando toda a riqueza e variedade dos trajes típicos portugueses — desta feita, com a assinatura de Alfredo de Morais (1872-1971), prolífico ilustrador e aguarelista que deixou um acervo incalculável de obras de cariz eminentemente popular (o que não desabona a sua têmpera artística).

São disso exemplo as capas de inúmeros fascículos de aventuras (Sherlock Holmes, Raffles, Nick Carter, Patrick Osborne, Texas Jack, Capitão Morgan, etc), incluindo as exuberantes ilustrações com que fez as delícias dos leitores da Colecção Salgari (Romano Torres), nas suas primeiras e míticas séries.

Temos oito postais da sua lavra com este tema, editados (supomos que nos anos 1960) pelo Museu de Ovar. Em breve, para deleite dos apreciadores da obra de Alfredo de Morais, apresentaremos os restantes — seguindo-se uma série de características totalmente diferentes, com temas jocosos e infantis.

 

Postais ilustrados de outros tempos – 2

Eis dois raríssimos postais, com trajes típicos dos Açores (Ilha Terceira) e da Madeira, ilustrados por Vítor Péon, na primeira metade dos anos 1950 (a julgar pelo estilo e pela assinatura dentro de um círculo), quando este dinâmico e versátil artista, já no auge da sua actividade criadora, ainda trabalhava para o Mundo de Aventuras e para outras publicações da Agência Portuguesa de Revistas (APR).

A editora destes postais, como se pode ler no verso, tinha o sugestivo nome de Au Petit Peintre — casa centenária, fundada em 1909, com loja na rua de São Nicolau, em Lisboa, e que, se tiver resistido à crise e ao aumento das rendas, ainda deve existir no mesmo sítio. 

Dir-se-ia que, por coincidência, os caminhos do jovem ilustrador já se cruzavam com uma Arte que, dentro de alguns anos, acenderia no seu espírito febril e ambicioso, sempre em busca do ideal estético, a centelha de uma paixão dominadora: a Pintura.

Postais ilustrados de outros tempos – 1

A ARTE DE STUART E OS VERSOS DE PESSOA

Curioso e raro postal editado pela Administração Geral dos CTT, com uma ilustração do grande Stuart Carvalhais (1948), alusiva a um ofício ambulante que, nessa distante época, ainda era um dos mais típicos apontamentos das ruas lisboetas e de outras cidades do país.

Esses reparadores ambulantes — autênticos homens dos sete ofícios — tudo consertavam, até varetas de guarda-chuva… porque, então, o lema dos populares com modestos recursos era poupar o mais que podiam.

Profissão de gente rústica, que na gíria popular ficou conhecida como «deita gatos», foi tema — por causa da estranheza e originalidade do nome — de textos literários e até de versos simbólicos, como estes de Fernando Pessoa, escritos em 1933:

Next Newer Entries

WordPress.com Apps

Apps for any screen

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa