Polina: a dança e a vida de uma bailarina em versões diferentes

Nota: o texto que se segue, da autoria de António Martinó de Azevedo Coutinho, e as respectivas imagens, foram reproduzidos, com a devida vénia, do seu magnífico blogue “Largo dos Correios”, onde a banda desenhada também ocupa um lugar privilegiado, entre outros assuntos cuja abordagem nos desperta sempre interesse. Por isso, a consulta assídua do “Largo dos Correios” é um óbvio prazer que de vez em quando, como neste caso — a propósito de uma obra singular, em que o cinema prolonga a BD —, nos apetece partilhar também com os nossos leitores, convidando-os a desfrutar o filme com Juliette Binoche e a novela gráfica de Bastien Vivès.

Um filme colorido procura interpretar a história contada numa banda desenhada a preto e branco. Poderia sintetizar assim o que se passa neste momento com Polina, que acaba de chegar a Portugal tanto no cinema como na edição em papel. Mas esta síntese seria pobre e injusta.

As relações entre o cinema e os quadradinhos nasceram há muito. Se recorrermos a Luís Gasca, um reputado estudioso espanhol do tema, ele diz-nos em Tebeo y Cultura de Masas, Editorial Prensa Española, Madrid, 1996, que talvez tenham começado com uma versão da histo- rieta L’Arroseur arrosé (1887), de Hermann Vogel, a ser transposta para a tela por Louis Lumiére, em 1895.

Desde então são milhares, largos milhares, os títulos de filmes que se confundem com os da banda desenhada, sobretudo aproveitando personagens, alguns nascidos na literatura ou na mitologia. As sagas de Batman, Capitão América, Capitão Marvel, Flash Gordon, Jungle Jim, Superman, Tarzan, Tintin ou Zorro são suficientes para confirmar o fenómeno, numa lista organizada de memória, de onde excluiu — por simples exemplo – toda uma multidão de cowboys célebres.

Polina pertence a um grupo diferente, porque é uma peça única, não explora o mito de uma personagem, não promete uma série e assenta rigorosamente num argumento original da banda desenhada.

Baseado na novela gráfica homónima de Bastien Vivès lançada em 2011, Polina centra-se numa jovem dançarina russa. Desde pequena que o objectivo de Polina é tornar-se primeira-bailarina no reputado Teatro Bolshoi, em Moscovo. Mas ao crescer afasta-se desse caminho por causa da pressão que os pais depositam nela e por descobrir a dança contemporânea, acabando por se mudar para França onde vai seguir um rumo diferente.

Esta adaptação cinematográfica não é, logo à partida, uma tarefa fácil, pretendendo contar na tela um argumento complexo e acidentado, a história de uma personagem enigmática animada por um sopro de liberdade. O argumento, fundamental, terá germinado depois de Bastien Vivès visionar um vídeo da bailarina Polina Semionova.

Quando o álbum original surgiu nos inícios de 2011, muito rapidamente foi descoberto pelos leitores e logo a seguir aclamado pela crítica. Depois vieram sucessivos prémios.

Polina, como banda desenhada, pode não agradar a todos os leitores.

O traço de caneta do autor é grosso, deliberadamente quase esquecendo os detalhes de rostos, as dobras dos vestidos e até os vários acessórios, concentrando-se totalmente na pura emoção e sobretudo na linguagem corporal.

Desprovido de cor, o preto-branco-cinza cria uma atmosfera despojada e um cenário minimalista, o que  força o leitor a aplicar as suas próprias cores neste universo, um contraste permanente de luz e sombra.

Ora a presente transposição, ainda que adaptada a outra linguagem, onde sobretudo o movimento é decisivo, não pode contemplar a exemplar subjectividade da obra original.

Não se prognostica, por tudo isto, um futuro de grandes êxitos para o filme Polina, apesar das óbvias e honestas intenções colocadas na sua competente realização de Valère Müller e Angelin Preljocaj.

Jeanne Moreau e Sam Shepard juntos no “Olimpo” do cinema

Image

A Mulher-Maravilha no cinema

Artigo do jornal Público, de 2 de Junho p.p., que reproduzimos com a devida vénia, para conhecimento de todos os fãs da Mulher-Maravilha que eventualmente ainda não tenham visto este filme, realizado por Patty Jenkins e com Gal Gadot (uma convincente amazona) no papel da protagonista. Apesar de algumas críticas negativas, aconselhamos esses fãs a não o perderem!

Roger Moore: o James Bond que marcou a diferença – 2

Roger Moore: o James Bond que marcou a diferença – 1

Image

“A Desaparecida, o Aleijado e os Trogloditas”: western e filme de terror

publico-a-desaparecida-1-362

publico-a-desaparecida-2-363

John Hurt: a despedida do “big actor”

i-john-hurt-1-367

Artigo de Cláudia Sobral reproduzido, com a devida vénia, do jornal I, edição de 30 de Janeiro de 2017.

Filmes a não perder: “Viagem ao Princípio do Mundo” (Manoel de Oliveira)

publico-mastroianni-8-a-365

Image

Filmes a não perder: “A Grande Farra” (de Marco Ferreri)

publico-mastroianni-7

Image

Filmes a não perder: “A Noite” (de Michelangelo Antonioni)

publico-mastroianni-6-319-copy

Image

Previous Older Entries

Le chat dans tous ses états - Gatos... gatinhos e gatarrões! de Catherine Labey

Pour les fans de chats e de tous les animaux en général - Para os amantes de gatos e de todos os animais em geral

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

Interesting Literature

A Library of Literary Interestingness

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa